Qual ação de banco tem maior potencial: Itaú, BB, Bradesco, Santander, Banrisul ou Itaúsa?

91

A equipe de análise do banco Safra revisou as suas estimativas para os principais bancos do país listados na B3 (B3SA3), revela um relatório enviado a clientes nesta segunda-feira (20) e assinado por Luiz F. Azevedo e Silvio Dória.

Os analistas incluíram em suas projeções os resultados do primeiro trimestre de 2019 e nossas novas premissas macroeconômicas e de menor custo de capital.

(Imagem: Pixabay)

“Em nossa visão, os bancos brasileiros devem manter resultados muito fortes em 2019, apoiados pelo crescimento do volume de crédito, baixa taxa de inadimplência, bom controle de custos e menores impostos de renda”, avaliam.

(Imagem: Equipe Money Times)

Itaú Unibanco (ITUB4): potencial de 23%

Itaúsa (ITSA4): potencial de 26%

Para o Itaú, o preço-alvo foi elevado de R$ 38,50 para R$ 40.  Para o Safra, o Itaú deve apresentar um resultado muito sólido em suas operações de crédito, com aceleração na margem com crescimento de clientes e bom controle de custos.

“O banco deve se manter como o mais lucrativo entre os brasileiros, embora as receitas de serviços possam ser afetadas pela maior competição em alguns segmentos (como: segmento de adquirência, gestão de ativos, etc.)”, avaliam.

(Imagem: Equipe Money Times)

Banco do Brasil (BBAS3): potencial de 40%

O preço-alvo para o BB foi revisado de R$ 53 para R$ 64. De acordo com os analistas, o banco deve manter um robusto crescimento dos lucros para 2019, impulsionado pela redução na perda de empréstimos e pela menor alíquota de imposto de renda.

A estimativa de lucro ajustado para 2019 aumentou de R$ 15,852 bilhões para R$ 16,910 bilhões (representando um ROAE (Rentabilidade sobre o Ativo) de 15,7% vs. 14,2% antes), “especialmente devido ao ajuste fino nas premissas de provisão para imposto de renda”, aponta o relatório.

(Imagem: Equipe Money Times)

Santander (SANB11): potencial de 24%

Para o Santander, o preço-alvo subiu de R$ 48 para R$ 53. A recomendação é neutra.

“Apesar de termos uma visão positiva sobre o banco, acreditamos que os múltiplos do Santander estão caros (acima dos pares e em linha com o Itaú) e potencial de valorização não é maior o que os demais. Não fizemos mudanças significativas em nosso modelo, apesar da leve queda na provisão para perdas com empréstimos”, indicam os analistas.

(Imagem: Money Times)

Banrisul (BRSR6): potencial de 44%

O modelo para o Banrisul foi revisado, com a inclusão de novas premissas macroeconômicas, como nova taxa de desconto e também os resultados do primeiro trimestre. Com isso, o preço-alvo foi estabelecido em R$ 32 e a recomendação elevada de neutra para outperform (desempenho acima da média do mercado), o mesmo que compra.

“Acreditamos que o Banrisul deva continuar entregando resultados sólidos para 2019, e expandindo o ROE em níveis muito impressionantes, devido a uma combinação de baixa inadimplência, aumento na margem e menor alíquota”, concluem os analistas.

(Foto: Bradesco)

Bradesco (BBDC4): potencial de 26%

O preço-alvo para o Bradesco subiu de R$ 36,70 para R$ 43 e a recomendação foi mantida em outperform.

“Acreditamos que o Bradesco está apresentando forte aceleração no crescimento do volume de crédito em todos os segmentos (Corporate / SME, pessoas físicas) com baixos níveis de inadimplência”, avalia o Safra.

Esta aceleração pode ser o resultado de sua forte capilaridade em todo o território nacional e coloca o banco em boa forma para se beneficiar da recuperação econômica, indicam os analistas.

Fonte: Gustavo Kahil / Money Times