Poderoso Banco da China está começando a gostar do Bitcoin

88

Uns dois anos atrás achar que o Bitcoin iria fazer parte do ecossistema financeiro da China, era uma possibilidade muita remota, dado o posicionamento da China em banir as criptomoedas. Mas hoje a primeira criptomoeda está começando a se tornar uma solução e chamando muito a atenção de grande parte da Ásia. Até o próprio Banco da China está se tornando um dos seus maiores fãs.

Todo mundo sabe que apesar da grande participação dos chineses no mercado de criptomoedas, a China tem sido um dos grandes inimigos do Bitcoin e das criptomoedas em geral, o governo chinês nunca gostou das moedas digitais, e agora a ideia de aplicar-lás ao seu comércio convencional desafia as práticas tradicionais. Mas a tecnologia tem sua maneira de provar seu valor e, às vezes, atrair até mesmo pessimistas incondicionais.

O Bank of China, operado pelo Estado, que é a quarta maior instituição financeira bancária do mundo em termos de ativos, publicou um infográfico monetário ilustrando como o Bitcoin passou a existir, o site do Banco da China também mostra que os primeiros 50 Bitcoins foram extraídos no início de 2009, quando o bloco Gênesis foi produzido.

O infográfico do banco também aponta que Laszlo Hanyecz, morador da Flórida, pagou 10.000 BTC em 2010 por duas pizzas. Depois de mostrar informações básicas sobre o Bitcoin, o Banco da China também falou que o Facebook está desenvolvendo sua própria criptomoeda, a Libra. O Banco da China, que possui filiais em cidades importantes em todo o mundo, usou o humor em seu mais recente infográfico para mostrar as vantagens e desvantagens da moeda digital e como o Bitcoin emergiu para ser a forma mais interessante de moeda que o mundo já utilizou. conhecido.

A divulgação do infográfico em prol do Bitcoin se deu pouco depois que um tribunal chinês reconheceu a primeira criptomoeda como legal e deveria ser considerado um ativo digital. Isso não significa que as atividades de negociação se tornaram mais fáceis, e sim uma mera proteção contra a propriedade do ativo.

O Hangzhou Internet Court confirmou a alteração do status do Bitcoin para ‘propriedade virtual’. A decisão confirma que a posse de Bitcoin agora é legalizada na China e indica que os donos da cripromoeda estariam protegidos contra disputas em relação a posse.

No entanto, esta não é a primeira vez que o Bitcoin foi declarado como ativo legal na China pelas autoridades judiciais. Em 2018, a Comissão de Arbitragem de Shenzhen declarou que “o ativo deveria ser protegido de acordo com a lei” e que é legal possuir e transferir.

O Tribunal de Hangzhou acrescentou mais credibilidade ao Bitcoin afirmando que a criptomoeda atende aos requisitos de propriedade virtual porque tem valor, é escasso e fungível. Apesar da notícia positiva em relação ao Bitcoin, as ICOs são proibidas no país desde 2017. A decisão apenas dá certos direitos em relação ao Bitcoin como commodity.

Em relação ao amor da China com o Bitcoin, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, rotulou recentemente a criptomoeda como um grande obstáculo à estabilidade financeira do país, enquanto agora uma gigante bancária chinesa compartilhava abertamente informações sobre o Bitcoin, o que indica claramente que está apoiando o dinheiro virtual.

“Vamos nos certificar de que o Bitcoin não se torne o equivalente a contas bancárias na Suíça, que obviamente são um risco para o sistema financeiro.”

O infográfico do Bitcoin criado pelo banco chinês, revela o crescente interesse do país asiático com a criptomoeda, ao descrever seus principais atributos, como seu anonimato e natureza descentralizada. O infográfico mostrou que o Bitcoin não é fácil de falsificar e que o atual status fiscal é questionável.

No início noticiamos que Ren Zhengfei, CEO da gigante chinesa de tecnologia Huawei, disse que a China pode competir com Libra se emitir sua própria criptomoeda. Durante uma conferência realizada na Itália, o CEO de uma das principais concorrentes da Samsung, disse que não era necessário esperar pelo lançamento do Libra, a criptomoeda promovida pelo Facebook, mas que a China tinha que assumir a liderança e lançar sua própria moeda digital.

Segundo Zhengfei, embora o Facebook tenha uma força considerável, já que pode atingir mais de 2 bilhões de pessoas, ele não se compara ao poder da Ásia.

Mercado agradece

O mercado de criptomoedas, está entusiasmado com a mudança do interesse do Bitcoin  no setor financeiro da China, que apesar da histórico de inimizade com a criptomoeda, responde por cerca de 61% da capacidade total de mineração da criptomoeda e detém altos volumes de negociação.

Fonte: Guia do Biticoin