Os 10 melhores Fundos Imobiliários de 2019

634

Muito se fala no fantástico resultado das ações na Bolsa brasileira em 2019, porém não podemos esquecer que os Fundos Imobiliários também obtiveram resultados excepcionais.

O Blog da Corretora Rico fez um estudo que apontou os 10 Fundos Imobiliários 2019, a Metodologia Utilizada na Escolha dos Melhores Fundos Imobiliários foi bastante convincente, para selecionar os melhores fundos, os analistas separaram aqueles que fazem parte do IFIX (benchmark do setor).

Os 10 melhores Fundos Imobiliários de 2019
Os 10 melhores Fundos Imobiliários de 2019

Além disso, com o intuito de garantir boa liquidez, entraram na seleção os FIIs que negociam um volume superior a R$ 1 milhão diariamente. Segue a lista:

Iridium Recebíveis (IRDM11)

O fundo tem como objetivo o investimento em ativos de renda fixa de natureza imobiliária, com preponderância em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI).

Com uma estratégia mais ousada, ele apresenta concentrações elevadas em empresas de médio porte, além de concentração relevante em CRIs que apresentam desafios operacionais de controle.

No entanto, a equipe é sênior e com bom track record no real estate, acompanhando de perto a performance da carteira e antecipando possíveis obstáculos.

O fundo Iridium conta com uma boa gestão e vem gerando bons proventos quando comparado aos seus pares.

Mogno Fundo de Fundos (MGFF11)

O objetivo do Mogno Fundo de Fundos é auferir rendimentos e ganhos de capital na aquisição de FIIs e outros ativos ligados ao mercado imobiliário.

Em relação à composição da carteira, 64% está alocada em fundos imobiliários com potencial ganho de capital, 35% em fundos de renda e 0,3% em LCI e ativos de maior liquidez.

Adicionalmente, destaca-se sua exposição a edifícios corporativos classe AAA localizados em regiões centrais do eixo comercial de São Paulo, mostrando que a gestora aposta na retomada do mercado de lajes corporativas e no incremento acima da inflação dos aluguéis.

A alocação estratégica de sua carteira vem gerando bons retornos aos cotistas, o que estabelece uma visão positiva para o fundo.

XP Malls (XPML11)

O XP Malls FII tem como objetivo a obtenção de renda por meio da exploração imobiliária de shopping centers.

O FII tem tido desempenho muito próximo dos top performers do setor, como Multiplan e Iguatemi, graças à sua estratégia de conseguir parcerias sólidas em bons empreendimentos e com grande fluxo de consumidores.

Para que também haja alinhamento entre o passivo e a gestão, o fundo possui taxa de performance cobrada sobre o excesso de retorno frente ao IPCA +6% a.a e uma tabela de cobrança regressiva para taxa de administração que vai de 0,95% a 0,75% conforme a evolução do PL.

Isso faz com que o gestor tenha incentivos para reciclar o portfólio, gerando valor para os cotistas.

Desse modo, vale acreditar no potencial do fundo, que deve continuar entregando bons proventos para seus investidores.

Vinci Shopping (VISC11)

O VISC11 é um fundo de shopping centers gerido pela Vinci Partners.

O portfólio é atualmente composto por dez shoppings localizados em regiões metropolitanas de capitais com mais de um milhão de habitantes em oito diferentes estados, totalizando mais de 60 mil m² de ABL própria.

À frente da gestão do fundo está um time com ampla experiência, liderado por um dos profissionais mais reconhecidos da indústria de shoppings.

Recentemente, mostrando o resultado de uma gestão ativa, a gestora vendeu a sua participação de dois ativos, o que deve gerar um dividendo expressivo nos próximos meses.

Hedge Brasil Shopping (HGBS11)

O fundo Hedge Brasil Shopping FII é voltado para aquisição e exploração comercial de shoppings centers.

Ele possui, atualmente, 12 shoppings em seu portfólio, sendo que os mais representativos são: Shopping Center Penha (18%), Shopping Parque Dom Pedro (17%) e o São Bernardo Plaza Shopping (10%).

Esses ativos possuem baixas taxas de vacância, são dominantes nas regiões em que atuam e possuem boa arquitetura.

SDI Rio Bravo Renda Logística (SDIL11)

Fundo que busca a realização de investimentos em empreendimentos de natureza logística e industrial, especialmente galpões logísticos, preferencialmente nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

Fundado em 2012, o fundo é administrado pela Rio Bravo e gerido pela SDI.

O fundo se mostra uma boa opção de renda, entrega bons dividendos aos seus cotistas, muitas vezes acima de seus pares, com bom potencial de crescimento e diversificação.

Fator Verità (VRTA11)

O Fator Verità FII é um fundo de investimento imobiliário constituído sob a forma de condomínio fechado.

Tem como objetivo a aquisição de ativos financeiros de base imobiliária, como Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), Letra de Crédito Imobiliário (LCI), Letras Hipotecárias (LH), cotas de FII, cotas de FIDC, cotas de FI Renda Fixa e Debêntures.

O benchmark do fundo é IGP-M + 6% a.a. com prazo de duração indeterminado.

CSHG Logística (HGLG11)

O HGLG11 tem como objetivo auferir ganhos pela aquisição e para exploração comercial de imóveis com potencial geração de renda, predominantemente galpões logísticos e industriais.

Tendo iniciado as operações em junho de 2010, se mostra como um dos fundos mais antigos dessa classe listados no IFIX.

Ao longo dos quase nove anos de existência, a gestão foi capaz de gerar retornos acima da média dos FIIs e, principalmente, acima do CDI.

Desde o início, o fundo se valorizou, considerando a distribuição de proventos e apreciação da cota.

XP Logística (XPLG11)

Fundo de ativos logísticos gerido pela XP Vista Asset Management, tem como objetivo a obtenção de renda por meio da exploração de galpões logísticos e industriais, bem como o ganho de capital, mediante a compra e venda dos mesmos.

A estratégia principal do XP Log é de adquirir ativos nos quais os inquilinos apresentam um bom risco de crédito e com contratos duradouros (prazo remanescente médio é de 12 anos).

Além disso, o XPLG11 possui taxa de performance cobrada sobre o excesso de retorno frente ao IPCA + 6% a.a.

BTG Fundo de Fundos (BCFF11)

O BTG Pactual Fundo de Fundos imobiliários foi criado em julho de 2010 e tem, desde então, gerido um portfólio majoritariamente concentrado em FIIs.

Apesar de ser permitido ao fundo comprar Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), Letras de Crédito Imobiliários (LCI) e Letras Hipotecárias (LH), com base no último relatório disponível, a carteira se concentrava basicamente em cotas de FII (89%).