Educação financeira para crianças é possível?

64

Segundo Gustavo Cerbasi, consultor financeiro especialista em inteligência financeira, blindar as crianças de algo que faz parte da vida delas, é contribuir para que desenvolvam uma relação ruim com o dinheiro, baseada na ansiedade e na paixão e a consequência disso é um adulto indisciplinado com seus gastos.

Para entendermos como nos relacionamos com o dinheiro, a ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) realizou uma pesquisa para compreender os motivos que levam o país a ter uma das menores taxas de poupança da América Latina. A partir das investigações, a Associação identificou que os brasileiros se encaixam em 5 perfis, sendo em sua maioria “construtores”.

Os construtores são aqueles que gostam de ter o controle das situações e cuidam do dinheiro dia após dia, mesmo que em pequenas quantidades, mas de forma consistente. Eles representam 30% da população. Entre esse pessoal, 91% afirmam que pensam duas vezes antes de gastar.

Mas, afinal, qual o primeiro passo para as crianças criarem uma boa relação com o dinheiro?

Para Reinaldo Zanon, CEO da Seguralta, o primeiro passo para influenciar a criança a lidar bem com o dinheiro é ser o exemplo para ela. “Se você possui tem uma relação boa com suas finanças, não se endivida e tem controle sobre seus gastos e ganhos, é mais fácil que seus filhos acompanhem seu perfil, mas se você tem problema em se organizar financeiramente, isso refletirá em como eles veem o dinheiro”, comenta.

Outra forma de incentivar as crianças é deixar que elas tenham contato com o dinheiro. “Você pode presentear seu filho com um cofrinho e incentivar que ele sempre guarde algumas moedas para comprar um brinquedo que ela queira, ao invés de gastar”, afirma Reinaldo.

Brincar de banco, de loja ou algo do tipo que motive a criança exercitar a matemática básica e a entender como funciona o esquema de valores. Se seu filho estiver em uma idade mais apropriada para mesada, é interessante que você o ajude encontrar a melhor forma de usa-la ensinando que ele pode utilizar uma parte e outra guardar para que tenha mais.

“Esse assunto pode parecer um pouco complicado e ter alguns tabus, mas a educação financeira infantil é a base para criarmos filhos mais conscientes e evitar que, no futuro, eles desenvolvam uma ansiedade que os leve à indisciplina, por isso use e abuse da imaginação e da criatividade para ensiná-los”, finaliza Zanon.

Sobre a Seguralta

Com 50 anos de mercado, a Seguralta está presente em todo o país e possui mais de 1.000 unidades operando em três modelos de negócio – home office, standard e basic. É a maior rede de franquias de Seguros no Brasil e a 12º maior franquia brasileira conforme ranking da Associação Brasileira de Franchising – ABF.  Para mais informações sobre franquias ou cotações acesse: www.seguralta.com.br