As melhores aplicações em renda fixa para 2019

118

Quais os melhores investimentos de renda fixa para 2019? O mercado de renda fixa sempre foi considerado o “porto seguro” dos investidores brasileiros, isso porque oferece bons rendimentos e um risco bem mais baixo em relação ao mercado de renda variável.

Em 2019, a expectativa é que a taxa básica de juros no Brasil (Selic) permaneça em baixa, algo que não costuma ser bom para quem investe em renda fixa, uma vez que o rendimento dessas aplicações está intimamente ligado aos juros cobrados no mercado.

Mas, mesmo com um cenário pouco favorável a esse tipo de investimento, ainda é possível encontrar boas oportunidades. Você sabe quais são os melhores investimentos em renda fixa para 2019? Continue a leitura para saber mais.

Crédito da imagem: Banco de Imagens EnvatoElements/By ivankmit

O que é renda fixa?

Os investimentos em renda fixa são aqueles em que você já conhecerá as características da aplicação no momento da contratação. Eles oferecem riscos pequenos, garantias e uma alta rentabilidade em relação ao risco.

Ao comprar um título de renda fixa, você está emprestando o seu dinheiro ao governo, ou a uma instituição privada, que devolverá essa quantia após um determinado período de tempo acrescida de juros.

renda fixa é uma ótima opção para quem busca diversificar seus investimentos em 2019, isso sem abrir mão da tranquilidade, uma vez que a grande maioria dos títulos de renda fixa possuem a mesma segurança que você poderia encontrar na poupança, por exemplo.

Alguns títulos ainda contam com a proteção do FGC (Fundo Garantidor de Crédito) e outros são isentos do Imposto de Renda, fato que aumenta ainda mais os seus ganhos.

Outra vantagem da renda fixa é a liquidez, pois alguns títulos como o Tesouro Selic podem ser resgatados a qualquer momento. E o melhor:sem que você perda do valor investido.

Quais são as opções de investimento em renda fixa?

Os investimentos em renda fixa se dividem em títulos privados e públicos. Entre os títulos privados, os principais são:

  • Certificado de Depósito Bancário (CDB);
  • Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA);
  • Certificado de Recebíveis Imobiliário (CRI);
  • Debêntures (incentivadas ou não);
  • Letra de Câmbio (LC);
  • Letra de Crédito do Agronegócio (LCA);
  • Letra de Crédito Imobiliário (LCI); e
  • Letra Financeira (LF).

Já quando o assunto envolve títulos públicos, o principal é o Tesouro Direto, programa realizado pelo Tesouro Nacional que permite a negociação de títulos da dívida pública por pessoas físicas diretamente pela Internet.

As opções atendem os mais diferentes tipos de perfil de investidores. Os mais conservadores, por exemplo, podem apostar em um CDB com liquidez diária ou mesmo no Tesouro Selic. Já os investidores com perfil mais agressivo e que não temem o risco podem se beneficiar com bons rendimentos em debêntures e fundos indexados à inflação.

Selic em baixa, e agora?

Já faz alguns meses que a taxa básica de juros brasileira, a Selic, está estagnada em seu menor patamar da história. Os 6,5% ao ano, que vem se mantendo desde meados de 2018, tem reduzido o retorno das aplicações de renda fixa mais conservadoras, que acabam pagando valores bem abaixo das expectativas dos investidores.

Para 2019, a expectativa do mercado é de que a Selic permaneça em um patamar baixo, mantendo o resultado durante o primeiro semestre e apresentando uma leve alta até o fim do ano.

O último Boletim Focus, publicado pelo Banco Central, mostra uma expectativa de que a Selic atinja os 7,13% até o final de 2019. Já o mercado espera que a Selic encerre o ano em 7,25%. Mas para que esse aumento realmente aconteça é necessário que a economia brasileira reaja e comece a pressionar um pouco os preços dos produtos e serviços.

Você já deve ter ouvido por aí sobre a grande capacidade ociosa que o Brasil tem apresentado recentemente. Essa situação, juntamente à inflação sob controle pode acabar fazendo com que o governo precise fazer um novo corte nos juros em breve caso a atividade econômica do país não comece a se aquecer.

Além disso, há uma possibilidade de que o FED – que é o “Banco Central” norte-americano – possa elevar os juros a um patamar superior ao que é esperado pelo mercado. Isso pode fazer com que o dólar se valorize e acabe atraindo os investimentos de todo o mundo para os títulos públicos emitidos nos EUA.

Contudo, a aposta dos especialistas é de que a economia brasileira deve reagir em 2019, principalmente se a tão esperada reforma da Previdência social sair do papel e se tornar uma realidade. Além disso, o mercado espera que o FED continue mantendo os juros em seu patamar atual.

Quais são os melhores investimentos em renda fixa para 2019?

Por mais contraditório que pareça, um cenário de juros baixos é excelente para quem deseja investir em renda fixa. Isso porque existe a possibilidade de ganhos expressivos em alguns tipos de aplicações, principalmente no Tesouro Direto.

Tesouro Direto

De acordo com especialistas na área de finanças, caso a reforma da Previdência seja aprovada ainda neste ano, as taxas dos papéis do Tesouro Prefixado devem cair por conta da redução do prêmio pelo risco.

Vale lembrar que o uso da marcação a mercado é um negócio que envolve algum risco, logo, é mais indicada para pessoas que possuem um perfil menos conservador, mas sem ser totalmente agressivo.

LCIs e LCAs

Ainda dentro das opções voltadas aos perfis mais moderados, uma ótima opção de investimento em renda fixa 2019 são as LCIs e LCAs.

Uma das principais vantagens desses títulos é que são isentos do imposto de renda, ou seja, o investidor recebe o valor líquido de seus rendimentos. Além disso, esses investimentos contam com a garantia do FGC para aplicações de até R$ 250 mil, por CPF e por instituição financeira.

Assim, mesmo em caso de insolvência do banco ou corretora, o investidor tem a garantia de receber o seu dinheiro, isso sem maiores complicações.

Por conta dessa segurança, você pode buscar títulos que paguem retornos maiores, como os que são emitidos por bancos menores, pois costumam pagar valores acima de 100% da CDI.

CRIs e CRAs

Os Certificados de Recebíveis Imobiliários e do Agronegócio são grandes apostas entre os melhores investimentos de renda fixa para 2019.

Nesse tipo de investimento, o risco é um pouco maior, pois não contam com a garantia do FGC. Contudo, vale lembrar que na renda fixa quanto maiores forem os riscos e o prazo, maior será a rentabilidade do papel.

Uma possibilidade para quem não deseja correr tanto risco é investir por meio de fundos de crédito privado, pois normalmente são administrados por gestores com maior expertise na escolha de ativos, o que diminui as chances de um calote.

Debêntures

As debêntures são títulos emitidos por empresas privadas e o seu risco está intimamente ligado à capacidade de pagamento dessas companhias.

Apesar de possuírem uma ótima rentabilidade, as debêntures são mais voltadas a pessoas com um perfil menos conservador e mais dispostas a correr algum risco como, por exemplo, o de essa empresa não conseguir arcar com o seu compromisso.

Dessa forma, você deve ficar atento ao optar pelas debêntures e escolher empresas confiáveis e que apresentem uma boa saúde financeira, mesmo em um momento tão conturbado para a economia brasileira.

Se você está à procura de uma opção livre do Imposto de Renda e de IOF, as debêntures incentivadas são uma ótima aposta. Elas são emitidas por empresas que executam projetos de infraestrutura no Brasil, por isso a sua compra é “incentivada” pelo governo brasileiro por meio da isenção de impostos.

CDB, LCI, LCA e títulos pós-fixados

Como dito anteriormente, o maior problema dos investimentos em renda fixa mais conservadores nos momentos de baixa da Selic é a consequente queda em seu rendimento. Dessa forma, os títulos que possuem a sua remuneração vinculada à CDI podem pagar menos em 2019.

Então por que eles estão listados em um artigo cujo título é “melhores investimentos em renda fixa para 2019”? A resposta é simples: mesmo com juros em baixa, tais aplicações devem fazer parte da sua carteira de investimentos, independentemente do seu perfil de investidor.

Elas podem ser úteis para formar a sua reserva de emergência ou mesmo para realizar planos de curto prazo, isso sem ter que apelar para a poupança.

O Tesouro Selic e os CDBs com liquidez diária são ótimas opções para uma reserva de emergência, isso porque rendem mais que a poupança e podem ser resgatados a qualquer momento, sem perdas.

Além disso, a estratégia que citei para as CRIs e CRAs também é válida aqui: procure por papéis emitidos por bancos menores, pois costumam pagar rendimentos melhores.

Como esses investimentos são cobertos pela garantia do FGC, ao respeitar os limites você conta com a mesma segurança que teria na poupança, por exemplo.

Conclusão

Os títulos de renda fixa, apesar de sofrerem com as oscilações das taxas de juros, ainda estão entre os melhores investimentos para 2019. Além de boa rentabilidade, eles garantem a segurança que é muito procurada por grande parte dos investidores.

Uma carteira de investimentos bem diversificada deve sempre conter pelo menos duas ou três aplicações desse tipo, visto que são uma excelente opção para quem quer criar uma reserva de emergência ou mesmo para realizar sonhos de médio ou longo prazo.

Fonte: Késia Rodrigues /Euqueroinvestir.com