As 3 ações que mais valorizaram em 2019

93

As ações cotadas nas Bolsas de Valores registram perdas e ganhos diários que dependem de vários fatores. Esse andamento representa uma desvalorização ou valorização do valor total de uma empresa. Diversos fatores como: a economia do País, cenário externo e crise na empresa influenciam as variações dos papéis.

ações que mais valorizaram em 2019
Ações que mais valorizaram em 2019

Para avaliar o desempenho médio da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) é utilizado o índice Ibovespa que mede o andamento das ações mais líquidas. A metodologia do indicador é definida pela própria B3 através de uma carteira teórica de ações, cuja composição é modificada periodicamente.

A escolha dos ativos que farão parte deste índice é baseada em dois fatores:

  • liquidez
  • volume das ações

Para entender melhor o que ocorreu no Ibovespa no décimo mês do ano de 2019, o SUNO Notícias inicia uma série sobre as ações que mais se valorizaram, desvalorizaram e as que mais pagaram dividendos.

O especialista de renda variável da SUNO Research, João Arthur, apontou três empresas do Ibovespa que mais se valorizaram no ano de 2019.

Ações que mais se valorizaram

A valorização das ações foi contabilizada a partir do dia 2 de janeiro de 2019 até a data de 20 de dezembro deste ano.

1° Qualicorp

A Qualicorp (QUAL3) é a maior administradora de planos de saúde coletivos do Brasil. O grupo foi pioneiro na estruturação dos planos coletivos por adesão. No dia 2 de janeiro, as ações ordinárias da Qualicorp encerraram sendo cotadas a R$ 13,64. Entretanto, no dia 20 de dezembro os papéis encerram sendo negociados a R$ 36,90. Durante o ano, a administradora registrou uma valorização de 241,22%. Confira Também: Itaú aumenta participação acionária na Qualicorp No segundo trimestre, a companhia registrou R$ 110,1 milhões em seu lucro líquido. Assim, a alta foi de 25% em comparação com o mesmo período do ano passado. O resultado operacional da Qualicorp ficou em R$ 246,7 milhões. Um avanço de 14,4% na comparação ano a ano. O resultado operacional é medido pelo Ebitda.

2° BTG Pactual

O Banco BTG Pactual (BPAC11) é um banco de investimento brasileiro que atua nos mercados de investment banking, wealth management e global asset management na América. No dia 2 de janeiro, as ações ordinárias do BTG Pactual encerraram sendo cotadas a R$ 24,90. Entretanto, no dia 20 de dezembro os papéis encerram sendo negociados a R$ 75,90. Durante o ano, a administradora registrou uma valorização de 232,93%. Veja Também: BTG Pactual comunica que fundo HCRI11 pagará dividendos aos cotistas O banco de investimento registrou lucro líquido de R$ 1 bilhão, uma alta de 71% em comparação com o mesmo período no ano passado, de R$ 586 milhões. Em relação ao mesmo período no ano passado o lucro teve crescimento de 3% e nos primeiros nove meses do ano o lucro foi de R$ 2,6 bilhões, aumento de 46%. A receita do BTG Pactual avançou 74% alcançando R$ 2,1 bilhões. Nos nove meses desse ano, o valor acumulado registrou R$ 5,7 bilhões.

3° Via Varejo

Via Varejo S.A. (VVAR3) é uma empresa de comércio varejista brasileira fundada em 2010, responsável pelas redes de lojas das bandeiras Casas Bahia e Pontofrio e  a administradora do site de e-commerce Extra.com.br. No dia 2 de janeiro, as ações ordinárias da Via Varejo encerraram sendo cotadas a R$ 4,38. Entretanto, no dia 20 de dezembro os papéis encerram sendo negociados a R$ 11,37. Durante o ano, a administradora registrou uma valorização de 159%. A varejista reportou o prejuízo de R$ 383 milhões. No mesmo período do ano passado, o prejuízo havia sido de R$ 83 milhões, mais de quatro vezes menor. A receita líquida caiu 10,7%, chegando a R$ 5,68 bilhões, frente a R$ 6,36 bilhões apresentados na comparação anualizada. No acumulado do ano, a receita atingiu R$ 18,04 bilhões.

Fonte: Suno Research