As 10 empresas que mais ganharam (e perderam) valor de mercado em 2019

120

2019 foi um ano espetacular para o mercado de ações. O índice S&P, que mede o desempenho das 500 maiores empresas listadas em bolsas norte-americanas, registrou alta de mais de 27%. Foi também um ano especialmente bom para as empresas de tecnologia, que viram seu valor de mercado crescer rapidamente. O preço das ações de AmazonGoogle e Apple decolou nos últimos 12 meses. Um ranking divulgado pela Forbes mostra que, entre as 10 companhias que mais valorizaram este ano, 5 são gigantes do setor de tecnologia.

Em primeiro lugar está a Apple, que teve suas ações sendo negociadas a preço recorde no segundo semestre. A marca atingiu em 2019 o valor de mercado de US$ 1,25 trilhão. Em segundo lugar está a Microsoft, que viu seu valor de mercado subir de US$ 408 bilhões para US$ 1,19 trilhão. Google, Facebook e Amazon vêm em seguida.

Em primeiro lugar está a Apple
Em primeiro lugar está a Apple

As empresas de serviços financeiros Visa, JPMorgan Chase e Mastercard também se destacam na lista.

No entanto, grandes empresas do ramo farmacêutico, consumo e serviços sofreram forte desvalorização. DuPont e Pfizer ocupam o primeiro e segundo lugar entre as empresas com os piores resultados do ano. Veja a lista completa das companhias com os melhores e piores resultados em 2019, na sequência:

As maiores valorizações

1. Apple (+ US$ 497 billhões)
2. Microsoft (+ US$ 408 bilhões)
3. Google (+ US$ 214 bilhões)
4. Facebook (+ US$ 213 bilhões)
5. Amazon (+ US$ 150 bilhões)
6. Visa (+ US$ 115 bilhões)
7. JPMorgan Chase (+ US$ 111 bilhões)
8. Mastercard (+ US$ 106 bilhões)
9. Disney (+ US$ 100 bilhões)
10. Procter & Gamble (+ US$ 82 bilhões)

Desvalorizaram

1. DuPont (- US$ 34 bilhões)
2. Pfizer (- US$ 33 bilhões)
3. Kraft Heinz (- US$ 13,5 bilhões)
4. Walgreens Boots Alliance (- US$ 13,1 bilhões)
5. Occidental Petroleum (- US$ 11,5 bilhões)
6. 3M (- US$ 10,7 bilhões)
7. Simon Property Group (- US$ 7,4 bilhões)
8. Abiomed (- US$ 7 bilhões)
9. Biogen (- US$ 5,6 bilhões)
10. DXC Technology (- US$ 4,7 bilhões)

Fonte: Época Negócios