7 destaques que devem impactar o mercado financeiro nesta segunda-feira (17)

120

Na última sexta-feira (14), o principal índice da bolsa de valores brasileira caiu 1,11%, a 114.380 pontos. Na semana, a alta foi de 0,54%. Nesta segunda-feira (17) sete destaques podem ajudar a definir os rumos do mercado, confira abaixo:

 destaques que devem impactar o mercado financeiro
destaques que devem impactar o mercado financeiro

Magazine Luiza

O Magazine Luiza (MGLU3) apresentou lucro líquido de R$ 168 milhões no quarto trimestre do ano passado. Esse valor é equivalente a uma queda de 11,4% em comparação com o mesmo período de 2018, quando a empresa reportou lucro de R$ 189,6 milhões.

O lucro líquido ajustado da varejista ficou em R$ 185,3 milhões, queda de 0,5% em comparação com o ano anterior. Já no acumulado do ano, o lucro ajustado do Magazine Luiza foi de 552,1 milhões, uma queda de 6,4% em relação aos R$ 589,6 milhões registrados em 2018.

Triunfo (TPIS3)

A Triunfo Participações comunicou ao mercado que o seu plano de recuperação judicial para a sua subsidiária Aeroportos Brasil Viracopos S.A. foi aprovado pela Assembleia Geral de Credores realizada no último dia 14. O plano prevê que a concessionária deverá requerer a relicitação do contrato de concessão do Aeroporto de Viracopos (SP), o segundo maior em volume de cargas do Brasil após Guarulhos.

A Triunfo também comunicou ao mercado que assinou um acordo com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que estabeleceu que os valores concedidos (pelo banco) à concessionária em Viracopos não estão sujeitos ao processo de recuperação judicial.

Carrefour

O Carrefour Brasil (CRFB3) informou, no último domingo (16), que adquiriu 30 lojas do Makro por um valor de R$ 1,95 bilhão. Desse total, 22 são unidades próprias e 8 alugadas (com transferência do contrato de locação).

Entre as lojas compradas pelo Carrefour, estão incluídos 14 postos de combustível em 17 Estados. Quase toda a rede do Makro no Brasil, com exceção do estado de São Paulo, foi vendida.

O faturamento total desses ativos em 2019 foi de aproximadamente R$ 2,8 bilhões. Com essa aquisição, o grupo varejista francês chegará a uma receita bruta anual de quase R$ 65 bilhões no País.

No total, o Carrefour atuará com sua rede de atacarejo Atacadão em 217 unidades de venda em todo o território nacional. As novas lojas serão transformadas na marca subsidiária do grupo francês nos próximos 12 meses.

“Baseado no modelo do Atacadão, o Grupo Carrefour Brasil espera que as vendas aumentem em mais de 60% e que a estrutura de custos seja otimizada, possibilitando o alcance gradual de níveis de rentabilidade similares aos existentes nas lojas atuais”, informou o varejista francês em nota.

Biosev (BSEV3)

A Biosev, braço sucroenergético do Grupo Louis Dreyfus, voltou a dar lucro líquido, reportando resultado de R$ 2,857 milhões no terceiro trimestre do ano-safra 2019/20, entre outubro e dezembro do ano passado – o resultado leva em conta os impactos da norma IFRS 16, sem a qual a companhia teria registrado lucro líquido de R$ 22,679 milhões. No mesmo trimestre da safra anterior, a companhia havia registrado prejuízo líquido de R$ 230,552 milhões.

Em nove meses de safra, a companhia acumula prejuízo líquido de R$ 470,372 milhões, queda de 47,30% sobre os R$ 892,581 milhões de prejuízo em igual período de 2018/2019.

O prejuízo no acumulado da safra se deve, entre outros fatores, à variação cambial, já que cerca de 90% da dívida da companhia é em dólar. Já o lucro no trimestre é resultado, em parte, do avanço dos preços médios de açúcar e etanol.

A receita líquida da companhia (ex-HACC) caiu 12,7% na mesma base de comparação trimestral, para R$ 1,422 bilhão, e recuou 2,4% em nove meses, a R$ 4,926 bilhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado ex-revenda/HACC totalizou R$ 334,341 milhões no terceiro trimestre de 2019/2020, queda de 29,1% sobre igual período da safra passada, e subiu 9,4% na comparação dos três primeiros trimestres de 2018/2019 e 2019/2020, para R$ 1,373 bilhão.

A dívida líquida em 31 de dezembro do ano passado era de R$ 5,637 bilhões, 0,4% maior em comparação com a do segundo trimestre de 2019/2020, finalizado em 30 de setembro, de R$ 5,615 bilhões. A alavancagem medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda da Biosev caiu de 3,10 vezes para 3,05 vezes entre os segundo e terceiro trimestres da atual safra.

GPA

O Grupo Pão de Açúcar (GPA) (PCAR4) informou, na noite da última sexta-feira (14), que recebeu a aprovação da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) para operar no Novo Mercado.

“A migração para o Novo Mercado reforça o compromisso do GPA com elevados padrões de governança corporativa, além de poder permitir ao GPA ampliar sua base de potenciais investidores”, informou a varejista em fato relevante.

O Novo Mercado é um segmento da B3 que reúne as ações das empresas abertas com os melhores níveis de governança corporativa do mercado.]

Priner

A Priner (PRNR3) estreia seus papéis no Novo Mercado da B3 nesta segunda-feira (17). As ações foram precificadas a R$ 10, base da faixa indicativa que chegava a R$ 13.

A empresa é focada na área de engenharia de manutenção com foco em acesso, pintura, isolamento, inspeção e limpeza industrial.

Cosan

A Cosan (CSAN3) apresentou lucro líquido de R$ 792,5 milhões no quarto trimestre de 2019. O resultado representa uma queda de 40,3% em relação aos R$ 1,3 bilhão registrados no mesmo período de 2018.

Esse resultado negativo foi provocado por uma despesa financeira líquida de R$ 160 milhões realizada nos últimos três meses do ano passado. Isso, junto com o registro de outras despesas operacionais de R$ 106 milhões, acabou revertendo a receita financeira registrada pela Cosan em 2018 de R$ 879,3 milhões.

Fontes: Yahoo Finanças, Suno e Infomoney