5 dicas importantes para te ajudar a investir com pouco dinheiro

1377

De uns anos pra cá, mais e mais pessoas têm feito ótimos negócios no mercado financeiro e passaram a apostar em investimentos. Mesmo assim, ainda há quem veja os investimentos como algo inacessível, voltado apenas para quem tem muito dinheiro.

Se você pensa assim, saiba que pode estar perdendo grandes oportunidades. Com um planejamento bem-feito e um ajuste nos hábitos, mesmo quem não possui uma renda muito grande pode começar a investir e garantir a estabilidade financeira.

Foto reprodução

Conheça, neste post, 5 dicas para investir com pouco dinheiro. Acompanhe!

1. Acompanhe de perto suas finanças
Você é daquelas pessoas que gastam dinheiro sem mesmo saber o quanto tem disponível, e na hora de verificar o saldo ou pagar uma conta acaba tendo uma surpresa? Pois saiba que abandonar esse hábito é o primeiro passo que você deve dar para conseguir investir seu dinheiro.

Portanto, verifique a situação da sua conta bancária frequentemente, de modo que você possa tomar as decisões envolvendo dinheiro de maneira mais consciente.

Tenha em mente o quanto precisará para arcar com suas despesas básicas e use esse valor como parâmetro para estabelecer os seus limites. Assim, você cumprirá com suas obrigações sem sustos e poderá administrar seu dinheiro ao longo do mês de uma maneira mais eficiente.

2. Estabeleça um valor fixo para investir
Quem quer investir com pouco dinheiro também precisa definir um valor fixo para destinar a esse fim. Portanto, nada de deixar para investir apenas o que sobrar no fim do mês. A dica é considerar a quantia que será aplicada como uma despesa fixa, assim como a conta de luz, água, aluguel etc.

Esse valor pode variar de acordo com as condições de cada um, contudo, é provável que a maioria das pessoas consiga separar de 10% a 15% de sua renda livre para os investimentos. Quem fica com 500 reais livres após as despesas fixas, por exemplo, pode começar investindo entre 50 e 75 reais por mês.

Logo você se adaptará a administrar o mês sem essa quantia, ainda mais sabendo que ela estará ajudando a garantir sua estabilidade financeira no futuro.

3. Faça um bom planejamento financeiro
Existe uma maneira de fazer com que essa adaptação seja ainda mais fácil: planejando-se. Para traçar um bom planejamento financeiro, basta definir quanto e como você vai utilizar seu dinheiro ao longo do mês.

Depois de separar o dinheiro das contas e do seu investimento, divida o que sobrou entre as semanas para saber o quanto poderá gastar a cada sete dias. Para ficar dentro das metas, talvez seja preciso desenvolver um pouco de autocontrole, essencial para evitar os gastos desnecessários.

Muitos acham que pequenos gastos não fazem diferença, mas são justamente eles que costumam comprometer o planejamento financeiro. Por isso, identifique onde você pode reduzir ou, até mesmo, cortar custos para que o objetivo de investir com pouco dinheiro fique ainda mais fácil de ser atingido.

4. Fuja da caderneta de poupança
Por muito tempo a poupança foi uma das opções de investimento mais populares entre os brasileiros. Contudo, seu rendimento nos dias atuais não tem a mesma atratividade de antes, muitas vezes não cobrindo nem mesmo os índices da inflação.

Quem ainda insiste na poupança, em vez de ver seu dinheiro multiplicando, corre o risco de vê-lo perder poder de compra. Por essa razão, cada vez mais pessoas vêm retirando seus recursos da poupança para aplicá-los em investimentos mais rentáveis.

Para se ter uma ideia, nos dois últimos anos os saques superaram os depósitos em mais de 90 bilhões de reais, resultando na maior retração da história da caderneta de poupança.

5. Procure pelos investimentos de renda fixa
Como dissemos, existem no mercado diversas opções de investimento rentáveis e que oferecem a segurança e diversificação que quem quer investir com pouco dinheiro precisa. Nossa dica é apostar 70% nos investimentos de renda fixa e 30% em variável.

Vamos conhecer os principais deles e entender como funcionam.

Títulos públicos
Esse é o investimento que mais tem se popularizado nos últimos anos. Adquiridos por meio da plataforma do Tesouro Direto, os títulos públicos são emitidos pelo Governo Federal como uma maneira de financiar suas atividades. É como se a quantia aplicada fosse emprestada aos cofres públicos para que o investidor a receba corrigida no futuro.

Suas características são ideais para quem conta com pouco dinheiro disponível, já que é possível iniciar os investimentos em títulos públicos a partir de 30 reais. A rentabilidade atrativa, o baixo risco e a praticidade, como títulos negociados pela internet, fazem dos títulos públicos uma ótima opção para quem quer dar os primeiros passos no mercado financeiro.

Certificado de Depósito Bancário (CDB)
Assim como o Governo, os bancos privados também se valem da comercialização de títulos para conseguir financiamento. É exatamente essa a função do CDB, outra oportunidade atrativa para quem tem pouco dinheiro para investir.

O investimento inicial varia dependendo do banco ou financeira escolhido, contudo, é possível encontrar opções a partir de 100 reais. Além de contar com rentabilidade e liquidez diárias, os investimentos em CDB ainda são cobertos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito) em até 250 mil reais.

Ações

Para investir em ações na Bolsa de Valores não existe valor mínimo, você só precisa abrir conta em uma corretora e transferir o dinheiro. Então, basta comprar ativos escolhidas sempre de boas empresas através do Home Broker. Conforme as ações se valorizarem, você vai aumentando seu capital e ao longo dos anos vai acumulando dividendos.

Fundos Imobiliários

Os Fundos de Investimento Imobiliário (FII) são formados por grupos de investidores com o objetivo de aplicar recursos em diversos tipos de investimentos imobiliários, seja no desenvolvimento de empreendimentos ou em imóveis já prontos, como edifícios comerciais, shopping centers e hospitais.

Logo, ao investir em fundos imobiliários você se torna proprietário de pequena parte de um ou de vários imóveis que compõem aquele fundo.

Uma vez que você investiu seu dinheiro, em alguns dias começa a contar o prazo para o pagamento dos “dividendos”, oriundos das rendas geradas pelos imóveis do fundo.

Esse dinheiro será creditado mensalmente em sua conta na corretora (e é isento de Imposto de Renda).

Fonte: Racon