10 Destaques que devem impactar o mercado financeiro nesta segunda-feira (02)

142

Oi (OIBR3;OIBR4)

A pauta da nova assembleia de credores da Oi incluirá uma proposta de venda de operações móveis da companhia, diz o Valor, citando pessoa ouvida sob condição de anonimato. A venda da área de telefonia móvel criaria impasse no leilão do 5G, diz a Folha.

IRB Brasil (IRBR3)

O IRB Brasil comunicou ao mercado a renúncia de Ivan Monteiro ao cargo de presidente do conselho de administração da companhia.

Banco do Brasil (BBAS3)

O Banco do Brasil informou que pagará R$ 517,4 milhões de remuneração aos acionistas, relativos ao primeiro trimestre de 2020, no dia 31 de março. Segundo o BB, os juros sobre o capital próprio terão como base a posição acionária de 11 de março. Donos de ações transferidas após o dia 12 não participarão do pagamento.

Hypera (HYPE3)

A Hypera confirmou na manhã de hoje que comprou por US$ 825 milhões (R$ 3,7 bilhões, ao câmbio de hoje) o portfólio de 18 medicamentos sem prescrição da japonesa Takeda Pharmaceutical International.

A Hypera, maior indústria farmacêutica do Brasil e sediada na capital paulista, afirmou já ter assegurado com os bancos linhas de crédito de R$ 3,5 bilhões para financiar a aquisição. Entre os remédios isentos de prescrição adquiridos pela Hypera estão o Neosaldina, Dramin e Nesina.

Segundo a empresa, a venda dos 18 medicamentos gerou um faturamento líquido de R$ 900 milhões no ano passado no Brasil e no México, com o Brasil representando 83% do valor.

“A Hypera Pharma e a Takeda também assinarão acordo de fabricação e fornecimento em conexão com a transação, por meio do qual a Takeda continuará a fornecer produtos à companhia”, informou a empresa brasileira, que absorverá 300 profissionais da equipe de vendas e marketing da farmacêutica nipônica quando a transação for concluída. A Hypera informou que a aquisição será concluída no final de 2020.

Total

A petroleira francesa Total tem como objetivo investir R$ 15 bilhões em exploração e produção de óleo e gás no Brasil até 2024. A empresa estuda investir entre US$ 600 milhões e US$ 700 milhões por ano na área.

Dessa forma, a Total deve quadruplicar a produção de petróleo no País. Assim, a petroleira passará a produzir mais de 150 mil barris diários. Atualmente, a empresa produz 40 mil barris diários.

Em entrevista ao jornal “Valor Econômico”, o responsável pelo setor de E&P global da Total, Arnaud Breuillac, disse que atualmente a empresa já possui “um grande número de ativos de alta qualidade”. “Estamos satisfeitos com o que temos agora, mas nossa ambição é ter mais. Acredito que o principal driver é a qualidade dos ativos”, afirmou o executivo. A Total possui 3 mil funcionários no Brasil e atua no País há 45 anos.

Santander Brasil

O Santander Brasil (SANB11) vendeu a empresa de pagamentos “Superdigital” pelo valor de R$ 270 milhões ao Santander global. A informação foi publicada na última sexta-feira (28) pelo banco.

A Superdigital Holding Company passou a ser a nova responsável pela empresa. A sociedade é controlada pelo Banco Santander. A ideia do negócio é fazer com que a plataforma ganhe alcance em outros países.

“Essa é mais uma iniciativa que fortalece o ecossistema do Santander Brasil, trazendo ainda mais sinergia entre os negócios, proporcionando expansão do portfólio de produtos e serviços com foco na contínua melhoria do atendimento aos nossos clientes”, informa o banco.

Eneva

A Eneva (ENEV3) informou, por meio de um fato relevante divulgado no último domingo (1), que realizou uma proposta de fusão com a AES Tietê (TIET11). A companhia de geração de energia controlada pelo BTG Pactual (BPAC11) e pelo fundo Cambuhy Investimentos propôs uma negociação em cerca de R$ 6,6 bilhões, sendo 60% em ações e 40% em dinheiro.

BTG

A corretora do BTG Pactual (BPAC11) e cinco executivos da instituição financeira estão sendo acusados, pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), por manipulação de mercado. A informação foi divulgada na última sexta-feira (28) pelo jornal “Valor Econômico”.

O órgão regulador acusa os executivos do BTG de manipularem os preços de units do banco entre novembro de 2015 e janeiro de 2016.

CVC

A CVC (CVCB3) comunicou, na última sexta-feira (28), que constatou, em uma avaliação preliminar, indícios de erros contábeis no balanço de resultados do quarto trimestre de 2019.

Segundo a CVC, os erros foram encontrados na “contabilização de valores transferidos aos fornecedores de serviços turísticos referentes às receitas próprias de tais fornecedores”. Ou seja, os equívocos estão relacionados à diferença entre os valores provisionados no momento da contratação de um serviço turístico e os recursos que foram realmente transferidos após a realização das viagens.

Petrobras

Na próxima quarta-feira (4), os acionistas da Petrobras (PETR3) votarão um pacote de mudanças no estatuto social da petroleira. Uma das novas regras que deve ser aprovada é a de redução de competência dos conselheiros para a decisão sobre indicados para o segundo escalão da companhia.

Entretanto, a Petrobras informou que a proposta altera a competência para designação e destituição dos titulares da estrutura geral ligados diretamente à diretoria, porém o conselho irá continuar responsável pela designação dos critérios para ocupação dessas posições e pela definição e destituição dos diretores executivos. As informações são do jornal “Valor Econômico”.